Autismo: dificuldade no contato visual

Autismo: dificuldade no contato visual

O contato visual é muito importante na comunicação. Pois ajuda as crianças a aprender a produzir os sons da fala, dentre outras habilidades, imitando a fala dos adultos, o que só é possível através do contato visual.


Mas é uma característica muito comum dentro do espectro. Essa dificuldade no contato visual não tem nada a ver com desinteresse pela outra pessoa, ou por falta de empatia. O cérebro dos autistas tem uma maior dificuldade na atenção compartilhada, então na maioria das vezes eles vão estar muito focados no que estão fazendo, não conseguindo perceber o que estar em sua volta.


Dessa forma, o contato visual pode gerar estresse e desconforto, o que descarta a ideia de que essa dificuldade no autismo seja devido a uma falta de interesse. O contato visual causa uma excitação e uma sensação desagradável no autismo, por isso é evitado.


O grau e a intensidade da dificuldade variam muito no espectro, mas na maioria dos casos de autismo ela está presente desde o primeiro ano de vida. Nesse sentido, é importante compreender o que faz com que as crianças com autismo não olhem quando chamadas pelo nome ou tenham dificuldade de manter a troca de olhares em uma conversa.


Primeiro de tudo devemos fazer com que a criança goste, que seja algo legal e divertido, que ela tenha interesse de fazer isso. O segundo ponto é se aproximar da criança cuidadosamente, pois chegar muito perto da criança pode ser aversivo e invasivo, devemos entrar na brincadeira da criança, imitar o que ela faz, sempre de frente, mais mantendo uma distância adequada.
Como o contato visual gera ansiedade no autismo, força-lo não é uma boa ideia, pois isso pode gerar ainda mais estresse. Os pais e cuidadores devem buscar compreender as dificuldades da criança, entendendo que não se trata de desinteresse e apatia, mas de um desconforto.


Da mesma forma, é importante ensinar outras formas de comunicação que ajudem a criança a manter conversas e relacionamentos interpessoais.


Uma dica é tentar interagir com ela se colocando à sua frente, a sua altura, ou colocando objetos que a interessem ao redor, para atrair a sua atenção. Quanto mais você conhecer os interesses da criança, mais poderá usar este recurso para interagir com ela. Saber suas brincadeiras preferidas pode facilitar a interação, além de aumentar a possibilidade de um contato visual.
Lembrando que é sempre importante mostrar para a criança satisfação quando ela mantém o contato visual, pois isso pode incentivá-la a fazer mais vezes.
.
Amanda Alves
Psicóloga
CRP: 06/166867
@psi.amandaalves

Amanda Alves

Amanda Alves é psicóloga registrada no CRP 06/166867. Acesse o Instagram: @psi.amandaalves